tio, da uma esmola?

Posted by : atilacity | 07 setembro, 2009 | Published in

Adicionar imagemEm pleno feriado de Indepêndencia do Brasil, venho pedindo uma esmola, venho pedindo um cunhado de pão, venho pedir apenas um minuto da sua atenção...


Meus caros amigos, ja da para ter uma noção do que irei compartilhar com vocês, sabe eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando, mas NÂO estou aqui pedindo uma esmola, pode ser qualquer moeda, qualquer trocado, qualquer que seja.
- Obrigado, deus lhe page!




Um problema cada vez mais comuns nas cidades são os moradores de rua e o habito de pedir esmolas, a cada dia estima-se que varia entre 13,000 a 19,000 moradores de rua na cidade de São Paulo, mesmo se compararmos aos 0,2% de uma população de 10,5 milhões de moradores da cidade, mas tal "problema" não atinge apenas as grandes cidades do Brasil mas também cidades pequenas e atinge o mundo todo.
Imagina-se que mundialmente 1 bilhão e 100 milhões de pessoas vivam em condição de pobreza, e onde devemos procurar uma solução?
Na história humana, a ultilização de materiais manipuláveis para a troca ou escambo, marca a vida humana com bases em valores materiais e desde então até a formação do comércio nós engatinhamos para o começo da pobreza, mas teme-se que tal mal seja ainda antigo. De lá - pra cá os niveis de consumo e acumulo da base de valor de troca (dinheiro) vem marcando diferenças incriveis na vida humana, temos lugares super modernos e cidades que parecem ainda viver no século XV e tais diferenças da-se pela capacidade de algumas pessoas administrarem melhor seus béns que outras.
Mas existem diversas outras fontes e explicações para que chegue a esta diferença social, algumas pessoas a nivel histórico e atual enriquecem por meios duvidosos, seja ele a corrupção ou até mesmo a exploração.
Alguns pensadores no decorrer da história ja classificaram as diferênças e em alguns casos incitaram a violência entre elas, o que para alguns se faz sentido, para outros apenas mais um meio de ampliar o ódio ou sentimentos semelhantes, mas, o que importa é que o prblema esta até hoje aí e por mais que existam varias idéias de como solucionar nenhuma deu certo (infelizmente).
Em nosso Governo Federal existe um programa que todos ja houviram falar o Bolsa Familia, o qual familias declaradas pobres recebem uma quantia X de dinheiro, complementando o rendimento familiar, alguns dão créditos a este programa para justificar a reeleição do presidênte Lula, mas geralmente associada a doação de esmolas, chamada popularmente de bolsa esmola.
E as indagações se é certo dar uma moedinha para o menino no farol, afinal, sua moeda pode estar patrocinando um saco de cola, benzinha ou outro inalante e quem sabe até pode ser para um hotdog que será divido entre 5 ou 6 meninos igualmente com fome!
E o que achamos certo que deva ser feito? vamos jogar a culpa no governo galera, essa é a nova moda, o governo não faz nada (isso é mentira, eles fazem muitas coisas, roubar, desviar, nomear e pelo menos uma vez no mandado aparecem onde deveriam estar), acho melhor mesmo é culpar a familia, claro, se o pai não fosse destes que ficam no bar o dia inteiro enchendo o c* (rim,figado,pancreas) de cachaça e a mãe não para-se sua vida por causa do vale a pena ver de novo, ou em casos extremos um dos dois (pai e mãe) e até mesmo os dois são extremamente violêntos, sim! A culpa é da familia. Vamos cruxificar todas as familias pobres!
Meus caros, de quem é a culpa pelos erros administrativos do Brasil? De quem é a culpa pela pobreza no mundo? E a quem devemos culpar?
Tantas perguntas e não dou solução nenhuma hoje, e o que esta acontecendo comigo, será que somente eu não vejo uma solução viavel?
Mas infelizmente dentro deste imenso breu que esta as diferenças sociais eu vejo só uma luz, pequena e quase fosca lá na frente, claro que para isso o brasil teria que passar por uma revolução, uma nova indepêndencia, claro que não do Dom Pedro e seu grito rouco, mas da população como um todo, vejo que para isso não precisamos de uma revolução sangrenta, com a morte de nossos comandantes (como a maioria na história humana) e sim uma revolução nano social, começando por nós e a cada dia. E como devemos fazer?
Pergunte a sí mesmo, onde em tí pode mudar para melhorar o mundo.
Um grande abraço a todos
e joguem a primeira pedra, aqueles que nunca desejaram acordar e ver um Brasil livre da pobreza, onde crianças e nem velhos tenham que pedir esmolas. Afinal, eu poderia estar matando, eu poderia até mesmo estar roubando, mas Não estou aqui pedindo pelo amor de deus um minuto da sua atenção.

(7) Comments

  1. J. Neto said...

    De quem é a culpa pela pobreza no mundo?

    No mundo, talvez seja uma resposta difícil de ser dada ou atribuída a algo ou a alguma entidade. Mas, ao menos, temos uma ideia... No Brasil , entretanto, podemos falar.

    Todo e qualquer país (ou governo) deve fazer o seu dever de casa. E uma de suas principais obrigações é tirar a maioria das pessoas de baixo da linha da pobreza. Deve ampliar o seu programa de cultura e educação para libertar os indigentes e as crianças que vivem à margem da criminalização. Sim, esse é o dever social e obrigação moral de qualquer governo.

    O que ocorre aqui nesse país tupiniquim é que, manter as pessoas analfabetas e indigentes é bom pois angaria os status que esses políticos ladrões querem para descaradamente perpetuarem-se no poder. Gente pobre, burra e leiga é bom para os ricos e abastados pois estes lhes serão eternos escravos, sem contestar ou questionar nada.

    Neste momento, um assunto importante é sobre o pré-sal. E de fato, o pré-sal é uma revolução e tudo que o Brasil aguardava para virar uma quinta potência. O problema está aí. O dinheiro que vai sair dessa 'riqueza descoberta' vai servir para tirar os pobres da miséria?

    Já há políticos no congresso se movimentando para que assim não seja...

    7 de setembro de 2009 11:25
  2. Éverton Vidal Azevedo said...

    Um texto muito forte, que toca na ferida com realidade e um "cadinho" de bom humor.

    Nós precisamos e devemos construir a nova realidade, a partir de reflexao e açao (que inclui também o voto).

    7 de setembro de 2009 20:48
  3. WANDER.CHEF said...

    Difícil dizer que a culpa é somente dos governantes, mas não há como negar a sua responsabilidade.
    Miséria não se combate só com distribuição de migalhas ,mas também com projetos educacinais, preferencialmente aquele em que o indivíduo aprende uma profissão.
    Se combate também com planejamento familiar, que sim ,sim e sim ,deveria ser comissão de frente nos projetos de com bate a miséria,afinal em países desenvolvidos, com certeza,o número de pessoas por família são bem menores.
    quanto as esmolas, mesmo que todos os projetos dessem certo,ainda assim haveriam pedintes, ou vcs acham que na Europa e Estados Unidos não há?

    7 de setembro de 2009 21:55
  4. Atila said...

    Vamos por partes como diria o tal jack estripador, Neto meu caro amigo de opiniões fortes e concizas, este texto é para nos levar a tais questionamentos, o que nós brasileiros, individuos e governantes devemos ou poderemos fazer neste ponto, já que na história humana a pobreza caminha juntamente com a riqueza (burgesia) e sobre o pré sal, ainda não pensei ao ponto para escrever, já que tal projeto envolve não somente a possibilidade do brasil se tornar uma potência ecônomica,mas, também, o arquivamento de um certo ex-ministro, porém, prometo até segunda feira trazer algo sobre este tema. Obrigado por seu comentário enriquecedor!
    Éverton, pegou o cadinho de humor, sim para falar de coisas sérias prefiro usar o humor, as vezes em tons escuros, mas em questão do que podemos e o que devemos fazer para ao menos minimizar o problema é sim, refletir e agir. Obrigado pelo comentário meu amigo.
    Wander meu caro, meu primeiro objetivo com este texto é levar a reflexão não somente de quem é a culpa, mas em como todos nós, cada um com sua condição financeira e de ação podemos auxiliar uma solução que diminua estas diferêncas, digo em sonho de ver um Brasil onde crianças, jovéns, adultos e velhos não precisem pedir dinheiro para sobreviver e tal sonho pode se tornar realidade, bem como o de vermos as ruas limpas, isto é, quando cada um fazer sua parte. Obrigado pelo comentário, que veio classificar pontos importantes dessa reflexão.

    8 de setembro de 2009 09:52
  5. Pâmela Rodrigues said...

    Eu acredito em dias prósperos, além de sonhar com eles.
    MAs ainda vejo pouca ação, até nós que tanto criticamos se nos olharmos melhor precisamos AGIR mais.
    Enfim, para prosperidade, somente a AÇÃO e paciência, pois é um processo de longo prazo que ainda precisa ser iniciado.
    Beijos querido, super texto como sempre

    8 de setembro de 2009 17:10
  6. Daniel

    Talvez, a grande questao dessa e de outras questoes, somos nos mesmos! Hoje, nosso mundo e noss umbigo! Estamos cada vez mais intolerantes e nao estamos querendo dar atencao ao proximo. Infelizmente, enquanto nao mudarmos nossa concepcao de vida, e dai pra pior. Um abraco.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    8 de setembro de 2009 22:25
  7. Valéria de Oliveira said...

    Atila, cheguei atrasada mas estou lendo...

    Este é um tema muito complicado de se discutir ou debater. Somos vilões e vitimas de sistemas e de tudo que nos cerca. A culpa da pobreza e da falta de orientação não é somente dos governos. A base familiar, depois a base nas salas de aulas... Em seguida os costumes de uma sociedade cega....enfim...São une coisas... Eu me deparo com muitas crianças dormindo no chão aqui em Sampa, principalmente na madrugada... Eu fico bastante pensativa e poderia ser uma destas... Infelizmente é triste. Eu poderia estar roubando, matando ou .... Mas conheci amor e abracei a palavra oportunidade!!!

    Bjo grande e valeu pelo seu comentário sobre meu post...

    10 de setembro de 2009 22:28