MERDA

Posted by : DANIEL MORAES | 04 dezembro, 2008 | Published in

Eram 06:20 quando acordei para ir ao Posto de Saúde que fica perto de casa, deixar “o material” de fezes e urina.

Meu intestino, bem como o dono, é anárquico! Odeia ordens, só “funciona” quando quer... Não possui horário certo para o “número dois”. Escovei dos dentes, pequei a toalha e fiz-me Rei! É... Confesso que tava difícil! Senti uma “fileirinha de merda” aportando na porta de saída, querendo ir, mas não ia! Ficamos nessa, por mais ou menos vinte minutos, até a dita cuja enfim dar o ar de sua graça (e fedor), caída numa latinha de Doriana estrategicamente posicionada entre minha bunda e a água da privada.

Após essa primeira fileira rebelde descer, veio mais duas. O suficiente para deixar em meio pote, o que já era suficiente para a análise (me pergunto sobre esse povo de “análise clínicas”, que trabalham literalmente na merda... Como esse povo é capaz de almoçar? Será que no final da vida profissional, terão capacidade de sentir algo que não seja fedentina? Eis a questão?).

Levei o material enrolado num pedaço de jornal velho (os potes eram transparentes). Na primeira, a chamada principal dizia: “China oficializa recessão”. Pensei: “É, a coisa ta feia!”. Fui andando até o Posto de Saúde, duas quadras de minha casa. Dez minutos e já estava lá.

Chegando lá, vi que tinham dez pessoas a minha frente; numa mesinha, uma senhora pegava os materiais e assinalava os mesmos. Muitos, como o meu eram transparentes; pensei: “minhas fileirinhas de merda são mais discretas”. Havia cada tolete...

Não pude deixar de vê as categorias de merda que lia estavam. Umas meio rochas, outras meio líquidas, mas só a minha em tiras. Entreguei meu material e fui pra casa. Ontem foi dia da consulta; peguei os resultados na recepção, e fui esperar a médica. Quando cheguei eram 13:00 horas em ponto; como sempre, esses médicos acham que agente não tem mais nada que fazer da vida (desculpa Flávia mas...), pois seu horário de atendimento é as 14:00 e a mesma foi chegar as 14:40 (cidade pequena como Boa Vista, não tem a desculpa do transito).

Enquanto esperava não pude deixar de pensar na merda (e em merda). Percebi o quanto somos tratados feitos merdas, excrementos que servem aos desígnios da classe dominante. Vejam, para os políticos somos meros números, o quantitativo necessário para sua perpetuação no Poder. Oferecerem-nos as “Bolsas Misérias” e Fome Zero, atos paliativos, dando o peixe, mas nunca ensinando a pescar, escravizando cada vez mais o povo pobre que cada vez mais se transformam em miseráveis.

Para o Capital, somos o proletariado que é explorado através desse Sistema Capitalista Neoliberal, que pôs fim ao víeis social do emprego, nos exigindo cada vez mais e oferecendo cada vez menos.

E para nós mesmos... Somos o BBB! A alienação nossa de cada dia. A diversão fugaz e sem sentido, que faz o País inteiro por três meses sofríveis, discutir em filas de banco, rodas d bares, festas e afins, quem fica e quem saí da casa mais vigiada do Brasil (Né não Bial?).

Somos merda de nós mesmos! Vejam o caso de Santa Catarina. Pergunto-lhes: A culpa é de quem? Da natureza, cada vez mais desrespeitada pelo homem, que polui, desmata, joga suas merdas e afins Tietê a baixo, ou de nós, que elegemos políticos sem nenhum compromisso, que deixaram as metrópoles crescerem sem qualquer planejamento?

Nós somos uma merda cada vez mais fedorenta! Bandidos que arrastam uma criança bairro a fora; pai que atira filha pela janela; pai e madrasta assassinando irmãos; um lunático que mata namorada e pais que permitem que um homem de 19 anos namore que uma criança de 12; ex-marido que obriga mulher e filho a se atirarem pela janela. Anjo caído que tem poder de um Deus e Deus sendo explorado, sendo bode expiatório de pastores que exploram a fé alheia em nome da ganância!

Porém, às vezes, se vê motivos para ter visões mais interessantes da merda de sociedade ao qual vivemos. Enquanto esperava, resolvi me encostar em um pilar; enquanto me refestelava, ouvi em assobios o clássico do rei do baião, Luis Gonzaga, Asa Branca. O assobio era de uma “melodia” aconchegante; quando olhei pra trás, percebi que quem assobiava era um senhor paraplégico em sua cadeira de roda. Pensei: “Quem somos nós? E até onde chega o fedor de nossas merdas?

"No fundo do oceano existe um baú que guarda o segredo almejado desde a aurora dos tempos por gênios, sábios, alquimistas e conquistadores. Eu conheci esse baú num estranho ritual revelado a poucos. Hoje eu posso enfim revelar que essa busca de séculos foi em vão.

A Pedra do Gênesis
Está bem aqui e agora, você pode tocar.
É a escada do seu velho sonho
Que vai dar sempre onde começou.
É a chave do maior poder
Que não vale um chiclete
Que alguém mascou...”

(A Pedra do Gênesi – Raul Seixas)

(8) Comments

  1. Valéria de Oliveira said...

    hahahahahahaha boa Daniel, boa mesmo! Mais um tiro ao alvo hehehe.
    Caraca que escrita marcante.
    Concordo com o que escreveu. Até quando? Pelo menos existe o meio de comunicação livre, para que em palavras ''escritas'' gritamos nossa ira!!!
    Vamos revolucinar...Em rumo á mudanças e atitudes sérias.

    Beijos e bom final de semana.

    Provavelmente irei trabalhar a procura de blogs, afins de nos ler..

    5 de dezembro de 2008 14:21
  2. paula barros said...

    E eu ainda penso que penso demais. Minha nossa senhora o que um filete de merda pode ocasionar. Uma avalanche de pensamento. Um lugar que gosto de pensar, ler, e falar sozinha é no banheiro. Começo a me entender. Obrigada por não me sentir tão só nesse paraiso.

    Daniel, sempre suas reflexões são ótimas.

    abraços

    5 de dezembro de 2008 23:33
  3. Mayara Borges said...

    Pior, tem cada merda que acontece no mundo que ateh desanima. Eu provavelmente vou trabalhar com análises clínicas. Literalmente na merda! kkkkkkkkkkk. p.s. Intestino anárquico? kkkkkkkkk... Vou adotar essa frase no meu dia-a-dia.

    6 de dezembro de 2008 00:43
  4. Mr. Jairo Souza said...

    Poupe-me neah Daniel!
    uma Merda esse post!
    =P

    6 de dezembro de 2008 12:22
  5. Camilla K. Boyle said...

    kkkkkk adorei o post e a metáfora. Sem dúvida que estamos vivendo na merda enquanto a reduzida classe dominante vive bem. Enquanto existirem pessoas que pensem como você, pode ter a certeza de que a luta continua...

    Beijos e bom final de semana

    6 de dezembro de 2008 13:02
  6. Anônimo

    Olá!!!
    É por isso que temos que valorizar todas as profissões!
    Beijos
    http://sex-appeal.zip.net
    http://cara-nova.zip.net

    7 de dezembro de 2008 18:29
  7. luzdeluma said...

    Que nojo! Juro que quase parei de ler mas fui até o final pra ver se iria só falar de merda.
    O pessoal da Análise Clínica, assim que recebe o material, é colocado um líquido conservante que retira odores e digamos, fica tudo morto ali.
    Pior é quando abrimos pessoas. Sabe que nossos orgãos são envoltos numa substância bem gosmenta, tipo o que sai da mucosa nasal quando estamos resfriados. E indo de encontro a sua finalização: Do avesso, somos todos uma merda.
    Boa semana! Beijus

    7 de dezembro de 2008 21:00
  8. lugirão said...

    Daniel, que diabo de tanta merda é essa?
    Essa tua fixação no BBB, tá mexendo contigo,hahahaha.

    beijos

    8 de dezembro de 2008 18:40